Ácidos para pele negra: quais escolher e como usar?

Quais são os melhores ácidos para pele negra e os principais cuidados que devem ser tomados no uso desses produtos? Perguntamos essas e outras questões para a dermatologista Camila Angelo Rosa, especialista em pele negra.

Confira o bate-papo!

Creamy: Quais são os ácidos mais indicados para pele negra?

Camila: Não há contraindicações, você pode utilizar praticamente todos os tipos de ácidos na pele negra.

Creamy: Que tipo de cuidado é necessário tomar?

Camila: Saiba, junto ao seu dermatologista, como associá-los e quais concentrações você pode usar. É preciso tomar cuidado com a concentração e o potencial de irritação de cada ácido. Pois se houver irritação, o risco de hipercromia – manchas –  é alto. Além disso, é fundamental associá-los com hidratantes e protetor solar.

Creamy: O ácido mandélico e alfa-arbutin vão bem na pele negra?

Camila: Sim, ambos são ácidos bem tolerados pela pele negra.

Creamy: E o de ácido glicólico e a niacinamida?

Camila: A maioria dos ácidos podem ser usados na pele negra, o que precisa ser adequado é o veículo e a concentração. Isso inclui o ácido glicólico e a niacinamida.

Converse sempre com seu dermatologista de confiança para ver se a aplicação é adequada na sua pele.

Creamy: A pele negra tende a ser mais oleosa?

Camila: Sim, isso porque as glândulas sebáceas são um pouco maiores. Porém, não é ruim do ponto de vista da hidratação e do envelhecimento da pele, mas incomoda as pessoas.

Creamy: Como controlar a oleosidade?

Camila: Em excesso, são necessários tratamentos que reduzem a produção de sebo. Na pele oleosa, a preferência é por produtos com o veículo em gel, sérum, aquoso.

Creamy: Ácidos cremosos são contraindicados para quem tem a pele oleosa?

Camila: Não, os ácidos cremosos devem ser utilizados, principalmente quando têm a intenção de diminuir o potencial de irritação.

Creamy: Quais são as indicações para peles negras secas ou mistas?

Camila: Para peles sem alterações use produtos para uma rotina de cuidados e manutenção que incluem sabonete, de preferência com uma tecnologia Syndet, – isso é, que respeita o pH da pele e não resseca –, hidratante e protetor solar. Acrescente também à rotina o antioxidante.

E aí, tirou suas dúvidas?

Lembrando que os ácidos glicólico e niacinamida estão presentes no Creamy Azul. Já os ácidos mandélico e alfa-arbutin compõem o Creamy Rosa. Consulte seu dermatologista e use com segurança!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *