Melasma: como tratar e prevenir as manchas na pele

Você provavelmente já ouviu falar em melasma. A doença, bastante comum, causa as famosas “manchas de gravidez” no rosto ou em outras regiões do corpo. Ou seja, algumas áreas ganham uma tonalidade marrom esteticamente incômoda. Entenda por que isso acontece, quais são as melhores formas de tratamento e como prevenir as manchinhas. 

Primeiramente: o que é melasma?

O melasma é caracterizado pelo surgimento de manchas escuras na pele. Ele costuma aparecer na face – principalmente nas bochechas, testa, nariz e buço – mas também pode surgir em outras áreas do corpo – como colo, pescoço, braços, pernas e costas. Essas manchas possuem tom amarronzado e costumam ser simétricas.   

Apesar de ser mais comum em mulheres, grande parte delas em idade fértil, o distúrbio de pigmentação também pode acometer os homens.  

Existem três tipos de melasma:

  1. Melasma epidérmico: ocorre na epiderme, primeira camada da pele, sendo mais fácil de tratar;
  2. Melasma dérmico: atinge a derme, camada mais profunda da pele, provocando manchas difíceis de serem tratadas;
  3. Melasma misto: afeta tanto a epiderme quanto a derme. 

Por que o melasma aparece?

O mecanismo de formação da doença não é totalmente compreendido. De acordo com o estudo “Fisiopatologia do melasma”, os fatores que contribuem com seu aparecimento são: exposição aos raios UV sem proteção, fototipos altos (peles mais escuras), predisposição genética, aplicação de cosméticos não adequados, problemas na tireoide e uso de certos medicamentos.

melasma tratamento

Luiz Romancini, médico especialista em dermatologia, explica que “o problema surge devido ao aumento da atividade de melanócitos (as células que produzem melanina, o pigmento da pele). Como consequência, ocorre um acréscimo do pigmento nos queratinócitos (células que formam a epiderme), o que provoca as manchas nas áreas afetadas”. 

Já foi demonstrado que os melanócitos são estimulados por estrógeno e progesterona (hormônios femininos), o que explica porque o melasma piora especialmente no terceiro trimestre da gestação. Metade dos casos da doença podem ser atribuídos a causas hormonais (gravidez ou uso de anticoncepcionais orais).

Outros fatores que podem piorar o melasma são os processos que geram radicais livres: luz UV proveniente do sol, luz visível (artificial) e poluição. Eles provocam inflamação da pele, degradam o colágeno e causam manchas. Para defender sua pele da ação dos radicais livres e prevenir o melasma, nada melhor do que o nosso complexo antioxidante com 10% de Vitamina C. Quando usada pela manhã, a Vitamina C da Creamy auxilia na proteção contra os danos provocados pelos radicais livres. 

Tem cura? 

Melasma tem cura? Essa é uma dúvida bastante comum. Infelizmente, não existe uma resolução definitiva para o quadro, mas com os tratamentos certos é possível controlar e clarear as manchas, além de prevenir novas hiperpigmentações na pele. 

Tratamento para melasma 

O tratamento do melasma é desafiador e deve ser contínuo, pois a recorrência é a regra. 

A boa notícia é que existem vários tipos de intervenção disponíveis no mercado, como peelings, lasers ablativos, lasers fracionados e luz intensa pulsada. Mas, o uso domiciliar de ácidos e despigmentantes associado à fotoproteção continua sendo a base do tratamento para clarear as manchas.

“Cosméticos com ativos como niacinamida, ácido glicólico, ácido mandélico, ácido lático, alfa-arbutin, ácido tranexâmico, ácido kójico e vitamina C são ótimos aliados para ajudar no tratamento e na manutenção dos resultados”, conta Dr. Luiz Romancini. 

Além disso, é preciso tomar medidas rigorosas de proteção contra o sol e contra a luz visível. “Em outras palavras: é essencial usar protetor solar em TODOS os ambientes, o tempo todo”.

Creamy para melasma

A Creamy tem opções incríveis de ácidos para ajudar a tratar as manchas do melasma. São eles: Ácido Tranexâmico (verdinho) e Ácido Mandélico (rosinha). 

melasma como evitar

O primeiro é um verdadeiro complexo clareador, que além de clarear também previne o efeito rebote e o surgimento de novas hiperpigmentações. A fórmula conta com ácido tranexâmico, ácido glicólico, niacinamida e alfa-arbutin. A segunda opção, não menos eficaz, traz ácido mandélico, alfa-arbutin e alantoína: combate a oleosidade, clareia e hidrata. 

Os despigmentantes atuam através de diferentes mecanismos do melasma, especialmente como inibidores da tirosinase, enzima responsável pela produção de melanina. O ácido tranexâmico inibe a melanogênese, evitando a conversão do plasminogênio em plasmina. Isso ajuda a clarear a pele, além de ter um efeito vasoprotetor que previne e trata os incômodos vasinhos que aparecem. É possível usar o Tranexâmico junto com o Mandélico, na mesma rotina de skincare noturna. Os efeitos podem ser até superiores do que se usados de forma isolada. 

Embora a dupla verdinho e rosinha seja a mais recomendada para o clareamento das manchas, sejam elas de melasma, acne ou solares, os outros Creamys (Glicólico, Lático e Vitamina C) também podem ser usados para complementar o tratamento das hiperpigmentações. O resultado é uma pele com tom uniforme, textura invejável, poros menos visíveis e muito glow. 

Tratamento com hidroquinona e ácido retinóico

Medicamentos consagrados pela literatura médica incluem principalmente a hidroquinona e o ácido retinoico como ingredientes. Ambos possuem grande potencial irritativo e devem ser utilizados sob supervisão de um dermatologista por um período limitado de tempo.

O ácido retinóico é extremamente fotossensibilizante, ou seja, é recomendado usar no inverno, para evitar a piora das manchas.

A hidroquinona também é citotóxica. Isso significa que ela pode destruir completamente os melanócitos de maneira irreversível, causando pontos brancos na pele (fenômeno chamado de ocronose exógena ou intoxicação por hidroquinona). Por isso, seu uso deve ser supervisionado e não ultrapassar 4 meses.

Existem alternativas seguras, não tóxicas e pouco ou quase nada irritativas que têm efeito clareador tão bom quanto a hidroquinona e o ácido retinóico, como mencionamos acima.

Antes de começar qualquer tratamento para melasma, consulte um médico de sua confiança. Contar com o acompanhamento de um especialista é essencial.

REFERÊNCIAS

Fisiopatologia do melasma

(Visited 1.774 times, 49 visits today)

4 Comentários Melasma: como tratar e prevenir as manchas na pele

  1. Aline Gomes março 30, 2021 at 9:35 pm

    Texto perfeito. Muiro bem elaborado e bem explicativo… 🙌🏼😘

    Responder
    1. Carol Moraes março 31, 2021 at 7:15 pm

      Oi, Aline!
      Agradecemos o seu feedback. 🤩
      Esperamos que continue acompanhando os nossos conteúdos por aqui. 🧡

      Responder
  2. Teresa Cristina dos Santos abril 4, 2021 at 6:32 pm

    Vou experimentar os produtos. Amei a resenha.

    Responder
    1. Carol Moraes abril 5, 2021 at 8:03 pm

      Oi, Teresa, tudo bem?
      Agradecemos o seu comentário! 😍
      Temos certeza que você irá amar os produtinhos da Creamy.
      Ficamos à disposição!

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *