Como identificar o seu tipo de pele?

Normal, oleosa, seca ou mista? Antes de escolher os seus produtos de beleza, é fundamental saber qual é o seu tipo de pele. Conversei com o médico pós-graduado em dermatologia Luiz Romancini e elaboramos algumas dicas para você identificar em casa.

Pele normal

Atenção às características: uma pele normal é balanceada – não é oleosa e nem seca. Tem luminosidade, mas o brilho é moderado. A textura é aveludada e suave, firme e lisa. A cor é rosada. Os poros costumam ser finos e quase imperceptíveis a olho nu. Geralmente não apresenta acne ou manchas.

“Uma pele normal dificilmente tem problemas de irritação após o uso de cosméticos, apresenta uma maior tolerância a diversas modalidades de produtos, desde géis e cremes até séruns e loções cremosas. Pode, no entanto, apresentar uma leve tendência ao ressecamento ou à oleosidade, sobretudo nas mudanças de estação. Esse fenômeno também pode ocorrer no uso de produtos não adequados a esse tipo de pele (um creme hidratante para pele seca, por exemplo, pode levar à hiperoleosidade de uma pele normal e provocar acne)”, explica Luiz.

Tipo de pele: seca

A pele seca é incapaz de reter a quantidade de água necessária. Isso acontece porque ela produz menos lipídios. Ou seja: carece de sebo para reter umidade e construir uma barreira útil contra influências externas.

Como identificar? Observando se a sua pele repuxa após a higiene suave, quando a pele começa a secar naturalmente. O ressecamento pode ser mais proeminente em certas áreas do rosto e resultar em descamação, prurido e vermelhidão – principalmente nas trocas de estação, com uso de água muito quente ou produtos inadequados.

“Ao contrário do que se acredita, a pele seca pode receber tratamentos à base de ácidos, inclusive em gel. Mas atenção: é possível que ela resseque transitoriamente, por isso é recomendada a aplicação prévia de um hidratante, a fim de proteger as áreas mais expostas e ressecadas da pele, minimizando o efeito colateral. Aplique em pequenas quantidades, em noites alternadas, e vá aumentando a frequência de acordo com a sua tolerância”, alerta Romancini.

Tipo de pele: oleosa

Na pele oleosa, o processo é oposto: ela produz mais sebo que o normal. Portanto, perde menos água. Apesar de estar mais protegida do envelhecimento precoce do que as demais, ela também é a mais propensa ao desenvolvimento de acne.

Poros visíveis e aumentados, muito brilho, textura grossa, cor pálida, aparição de espinhas e cravos com frequência são indicativos de que a sua pele se enquadra nessa categoria.

O especialista recomenda: “Use produtos não-comedogênicos, prefira géis, géis-creme ou séruns. Não lave o rosto mais que duas vezes ao dia, sobretudo se o sabonete ou gel de limpeza contiver ácido na formulação. O excesso de limpeza provoca o efeito contrário: a pele ‘se defende’ da agressão causada pela limpeza e produz mais oleosidade que anteriormente. O uso isolado de sabonetes antioleosidade, sem uma rotina completa que contemple tonificação, hidratação e proteção solar, pode piorar o quadro de acne e oleosidade, favorecendo o aparecimento de manchas. Géis secativos também podem causar dermatite de contato se usados de forma incorreta. Quem tem pele oleosa deve ter seus produtos cuidadosamente escolhidos e aplicados. Reserve um dia na semana para uma esfoliação superficial da pele e não use produtos contendo ácido após esfoliar”.

Tipo de pele: mista

Também existe a possibilidade de a sua pele ser mista. Ou seja: com características de pele normal ou seca em áreas como a bochecha e aspecto oleoso na zona T (região que abrange testa, nariz e queixo).

“A pele mista pode se dar bem com quase qualquer textura de produto entre géis, géis-creme e cremes. O gel-creme é a textura intermediária entre peles secas (que preferem o creme) e peles oleosas (que se dão melhor com geis), mas não é a única recomendada: a combinação de produtos que deixem sua pele balanceada pode ser uma boa saída para quem está conhecendo seu tipo de pele. Use cremes hidratantes nas áreas ressecadas e géis com AHAs nas zonas mais oleosas”, fecha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *