Melasma: melhores tratamentos

Você conhece o melasma? A doença causa as famosas “manchas de gravidez” no rosto, ou seja, algumas áreas ganham uma tonalidade marrom esteticamente incômoda.

O tratamento é desafiador e deve ser contínuo, mas é possível, sim, clarear as manchas. Além do uso constante de filtro solar, o ácido mandélico é grande aliado.

Por que o melasma aparece?

O mecanismo de formação do melasma não é totalmente compreendido. Fatores que contribuem com seu aparecimento são: exposição aos raios UV, fototipos altos (peles mais escuras), predisposição genética, aplicação de cosméticos não adequados, problemas na tireoide e uso de certos medicamentos.

Já foi demonstrado que os melanócitos (as células que produzem melanina, o pigmento da pele) são estimulados por estrógeno e progesterona (hormônios femininos), o que explica porque o melasma piora especialmente no terceiro trimestre da gestação.

Metade dos casos de melasma podem ser atribuídos a causas hormonais (gravidez ou uso de anticoncepcionais orais).

Tratamento

Primeiro, é importante colocar que qualquer tratamento deve ser contínuo, pois a recorrência é a regra. Além disso, é preciso tomar medidas rigorosas de proteção contra o sol e contra a luz visível. Em outras palavras: é essencial usar protetor solar em TODOS os ambientes, o tempo todo.

Existem vários tipos de intervenção disponíveis no mercado, como peelings, lasers ablativos, lasers fracionados e luz intensa pulsada. Mas o uso domiciliar de ácidos e despigmentantes associado à fotoproteção continua sendo a base do tratamento.

Medicamentos consagrados pela literatura médica incluem principalmente a hidroquinona e o ácido retinoico como ingredientes. Ambos possuem grande potencial irritativo e devem ser utilizados sob supervisão de um dermatologista por um período limitado de tempo.

O ácido retinoico é extremamente fotossensibilizante, ou seja, é recomendado usar no inverno, para evitar a piora das manchas.

A hidroquinona também é citotóxica. Isso significa que ela pode destruir completamente os melanócitos de maneira irreversível causando pontos brancos na pele (fenômeno chamado de ocronose exógena ou intoxicação por hidroquinona). Por isso seu uso deve ser supervisionado e não ultrapassar 4 meses.

Existem alternativas seguras, não tóxicas e pouco ou quase nada irritativas que têm efeito clareador tão bom quanto a hidroquinona e o ácido retinoico. São elas:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *